Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Diário da Pinkinha

“Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim”

O Diário da Pinkinha

“Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim”

Livro: PICANTE – HISTÓRIAS QUE ARDEM NA BOCA

 

 

PICANTE – HISTÓRIAS QUE ARDEM NA BOCA De Alice Vieira, Catarina Fonseca, Leonor Xavier, Maria João Lopo de Carvalho, Maria do Rosário Pedreira, Rita Ferro PVP 14,50 € 180 págs.

 

Sobre o Livro

Com muita imaginação e humor, seis autoras trazem-nos seis histórias, seis receitas e uma paixão: o Picante. Para todos os amantes de repastos condimentados e de prosa bem temperada, aqui se contam seis histórias gourmet para os mais variados pratos.

 

Vamos poder descobrir: Os ritos de passagem da vida e um CARIL DO ADEUS muito especial (Alice Vieira); A história intrincada de Lady Araminta Hack e de uma CARNE DE  RENA COM MOLHO PICANTE (Catarina Fonseca); Que nem tudo o que parece é: a história ilusória de uns PIMENTOS PADRÓN (Leonor Xavier); De como um MOLHO AGRIDOCE PICANTE pode mudar uma ou mais vidas (Maria João Lopo de Carvalho); Os poderes (quase) encantatórios de um CHILLI COM CARNE (Maria de Rosário Pereira); E, uma SOPA PICANTE DE COGUMELOS SELVAGENS que levanta tudo (Rita Ferro).

 

 

Sobre as Autoras

Alice Vieira, sessenta e oito anos, lisboeta de gema, jornalista, escritora e boa cozinheira. Como sempre gostou de andar contra a corrente, faz caril para a ceia de natal… e por isso atesta a veracidade da receita que aqui deixou.

 

Catarina Fonseca nasceu em Lisboa, a 2 de abril de 1969. Tem o mestrado em literatura inglesa e trabalha atualmente na revista Ativa. Nunca aprendeu a fazer caril mas gostaria sinceramente de ter mais picante na sua vida e promete de hoje em diante fazer por isso.

 

Leonor Xavier, formada em Românicas pela Faculdade de Letras de Lisboa, viveu no Brasil, e em 1980, no Rio de Janeiro, estreou-se como jornalista e escritora. Na imprensa, tem sido repórter de coisas e gente, e na escrita tem a natureza humana por tema e a ironia por tom. Aos leitores dedica, com gosto e tempero, este exercício de invenção. Exercício de pura literatura, pingado de malefícios, acelerado nas peripécias, inesperado no final.

 

Maria João Lopo de Carvalho escreve e fala pelos cotovelos tanto para adultos, como para crianças e jovens. Alfacinha de 62, mãe de dois filhos e licenciada em línguas e literaturas modernas nunca recusa uma conversa picante! Dizem que tem sal a mais, sobretudo na companhia de um bom garfo mas, na verdade, temperos e receitas nunca foram o seu forte. Pimenta? Só na língua!

 

Maria do Rosário Pedreira nasceu em Lisboa, onde vive desde sempre. Lê, escreve e publica livros, pelo que conhece em detalhe a anatomia das traças. Tal como elas, alimenta-se de histórias, que têm a vantagem de não sujar loiça. Conhece muitas palavras que picam na língua e espirra quando a pimenta lhe chega ao nariz e não as pode dizer.

 

Rita Ferro é escritora, mas sobretudo mulher. Teve filhos, plantou árvores, escreveu livros, e conseguiu chegar aos 56 anos sem nunca ter escamado peixe nem passado a ferro um fato de homem. «Gostem de mim pelo que sou e não pelos serviços que presto», costuma dizer, «ou então desapareçam, que não me fazem falta.» Nesta fase, gostava de ter um bar em Lisboa e de fazer fotografia. «Quem és?», Perguntam-lhe. «Não faço a mínima ideia», responde. Diz que prefere a incógnita. A dos outros, a da vida, a sua. Ultimamente, tornou-se especialista em olhar para paredes. «Chego a comover-me», explica.

 
/>

TripAdvisor-logo-3.jpg 

 

Follow me on Blogarama

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Mensagens

Calendário

Novembro 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930